São Luís é declarada oficialmente a Capital Nacional do Reggae

São Luís agora é, oficialmente, a Capital Nacional do Reggae. O reconhecimento se deu pela Lei 14.668, publicada nesta terça-feira… [ ]

12 de setembro de 2023

Público pode apreciar o reggae e conhecer sobre o estilo musical de São Luís — Foto: Maurício Alexandre

São Luís agora é, oficialmente, a Capital Nacional do Reggae. O reconhecimento se deu pela Lei 14.668, publicada nesta terça-feira (12), no Diário Oficial da União.

A oficialização do título concedido a São Luís se deu pela Lei 14.668, que já havia sido decretada pelo Congresso Nacional, e foi sancionada pelo presidente da República em exercício, Geraldo Alckmin.

São Luís recebe o título de Capital Nacional do Reggae, em publicação no Diário Oficial da União — Foto: Reprodução/DOU

A Lei nasceu de um projeto do deputado Bira do Pindaré (PSB-MA), que foi aprovado pela Comissão de Educação e Cultura no dia 8 de agosto, com relatório do senador Cid Gomes (PDT-CE). 

Desde 2012, já existe no Brasil, por força de lei, o Dia Nacional do Reggae, em 11 de maio, data de falecimento de Bob Marley. A homenagem destaca a relevância do estilo musical, suas origens e sua transcendência, ao alcançar diferentes culturas e povos ao redor do mundo.

Reggae na cultura do Maranhão

Roteiro Reggae propõe passeio por locais no Centro Histórico com identificação com esse estilo musical — Foto: Divulgação/Setur

Um das razões que motivaram a indicação da capital maranhense ao título é a forma como ritmo musical, originalmente jamaicano, se inseriu na cultura popular de São Luís e, aos poucos, foi se difundindo pelo interior do estado e, depois, pelo país.

Em São Luís, já conhecida como “Jamaica Brasileira”, a aderência do reggae à cultura se deu inicialmente na periferia, onde ganhou novos ritmos e, inclusive, um jeito único de dançar: agarradinho. Na capital maranhense também existe o Dia Municipal do Regueiro, comemorado no dia 5 de setembro.

No Maranhão o reggae é dançado 'coladinho' — Foto: Divulgação/ Comissão Integrada de Reggae e Turismo

O movimento musical teve grande repercussão no Maranhão a partir dos anos 1970. Segundo pesquisadores, há hipóteses de que o reggae tenha chegado pelas ondas de rádio emitidas do Caribe, ou por marinheiros que, descendo no porto, traziam discos para São Luís.

A especialista em Jornalismo Cultural e mestra em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Karla Freire, afirma que, naquela época, o gênero ainda era visto com um grande preconceito social e racial, devido a sua força e identificação, principalmente, entre as camadas mais pobres da sociedade ludovicense.

Mas, apesar das contradições socioeconômicas, aos poucos o reggae foi ganhando destaque, e espaços que antes eram visitados apenas por uma parcela da sociedade da capital foram tendo uma nova visibilidade.

Museu do Reggae, em São Luís. — Foto: Divulgação

A partir dos anos de 1990, a classe média começou a incorporar o ritmo jamaicano em seus locais de divertimento e novos espaços começaram a surgir diversificando, assim, o público em São Luís.

“A partir dos anos 90 você vai vendo a classe média abraçar o reggae em espaços híbridos. O Espaço Aberto começa a ser frequentado por pessoas da universidade, por artistas locais. Então, essas pessoas vão começando a quebrar essa barreira social e, é, a partir disso que a gente vê que o reggae começa a se diversificar na ilha”, afirma Karla.

Parte do interior do Museu do Reggae, em São Luís — Foto: Reprodução/TV Mirante

Atualmente, São Luís tem centenas de radiolas, com DJs. As bandas se multiplicaram e a cidade ganhou em 2018 o primeiro museu temático sobre o ritmo, fora da Jamaica, o Museu do Reggae Maranhão.

Além de reunir discos, instrumentos, vídeos e outros ícones históricos, o local também é um espaço cultural para a realização de shows, festivais, aulas e oficinas.

Via G1

0 Comentários

Deixe o seu comentário!